O vento entra, chacoalha as árvores, levanta a areia e mexe o mar. Só que em vez de correr pra casa, Marcelo Cunha corre é pra dentro da água, com um sorriso que vai de canto a canto do rosto. Desde 1999, quando ele aprendeu a praticar kitesurf, tem sido assim. O gosto pela coisa foi tanto que dois anos depois de aprender, ele começou a dar aulas pra todos aqueles que, como ele, quisessem voar – só que enraizados no mar. Para dar certo, os ingredientes: uma prancha (com ou sem alças), uma pipa (parecida com aquelas de pára-quedas), vento (quanto mais, melhor) e ondas para brincar.

 

kite-surf-in-Rio-de-Janeiro

 

Aqui no Rio, o esporte vem ganhando mais e mais adeptos: é só olhar pro mar em dias de vento e você vai ver o colorido das pipas enfeitando o visual. Os melhores points são lá pela Barra, em frente ao KitePoint, escola que Marcelo criou, até a Laje do Postinho e a melhor época do ano é a que está começando agora: de setembro a abril. Pode reparar que é bem nessa época que o vento faz questão de aparecer diariamente, geralmente a tarde. Em vez de voltar pra casa quando ele entrar, que tal se aventurar nessa nova experiência?

 

kitesurf no Rio de Janeiro

 

Marcelo garante que qualquer um pode aprender o esporte. “A pessoa só precisa saber nadar, no geral, é fácil, estamos formando a maioria dos alunos em 10 horas de aula, o que é o nosso curso básico”, ele conta. E ele garante que a satisfação de deslizar sobre as ondas usando a força do vento é indescritível. Mesmo assim, ele reflete: “O kitesurf une muitos prazeres como deslizar sobre as águas, voar, surfar ondas grandes que só seriam possíveis com a ajuda de um jet sky”. E vai além: “Isso sem falar na sensação de liberdade que você sente quando está no mar sozinho com sua prancha e seu kite”.

 

Serviço:
Av. do Pepê, quiosque 7.
Barra da Tijuca – Rio de Janeiro.
+55 (21) 98859-2112 21 / 98674-6585
[email protected]

 

Foto: Reprodução.

O seu endereço de e-mail não será publicado.