Tá com fome? Vai comer o que? Por onde você quer ir? Quer um espaço ao ar livre ou fechado? Você seleciona, seleciona e, no final das contas, continua tendo infinitas opções de restaurantes. Muitos deles vêm investindo na tão falada e necessária sustentabilidade para, assim, ganhar clientes que estejam preocupados não só com os pratos gostosos, mas também com toda a atenção dada a questões ambientais, sociais e culturais.

A sorveteria  Momo, por exemplo, vem desde a sua inauguração, pensando em se ocupar de detalhes operacionais que ajam da maneira mais inofensível possível ao meio ambiente. Por lá, todas as lojas usam lâmpadas LED, aquelas que reduzem o consumo de energia e podem ser recicladas mais facilmente. Os jogos americanos e sacolas são todos feitos com papel reciclado e o papel usado na confecção dos potinhos dos sorvetes são produzidos com papel de florestas certificadas. Copo de plástico não entra lá, a água é triplamente filtrada, o café e açúcar são orgânicos e produzidos a partir de uma cultura de cultivo que não agride o solo e as borras de café são transformadas em saquinhos de adubo e distribuídas toda terça feira na Momo Leblon. E ah! As entregas que eles realizam são feitas em uma scooter elétrica, que não emite gases poluentes!

sorveteria Momo

borra de café

No Jardim Botânico, o espanhol Ibérico ficou quase dois anos em obras para ficar do jeitinho que o chefe Jan Santos queria – e com isso, ser o primeiro restaurante brasileiro a ser considerado completamente sustentável. No telhado da casa de dois andares são plantados todos os temperinhos orgânicos usados nos pratos contemporâneos que eles oferecem. Nas mesas você encontra jarras de água filtrada aromatizada com frutas – o que é uma delícia-, de graça, ou em garrafas do projeto Gota a Gota que custa R$3, sendo que mais da metade do valor vai para a ONG Gastromotiva, que forma profissionais de cozinha de comunidades carentes. As lâmpadas todas são de LED, a água da chuva é filtrada e usada no jardim, o mobiliário todo é feito de material reciclado, a tinta das paredes é ecológica. Isso sem falar que a escolha da compra dos produtos leva total em consideração o que eles chamam de “quilômetro zero”, ou seja, produtores locais.

Ibérico Restaurante e seu investimento em sustentabilidade

O Gula Gula é outro que vem investindo em medidas sustentáveis. Além de terem estreitado a relação com fornecedores locais para a produção de produtos orgânicos próprios, eles vêm aderindo a pegada ecológica e se certificando com o selo LEED o que, em outras palavras, quer dizer, utilizar energias mais eficientes, investir em materiais de construção sustentáveis na reforma das lojas e reduzir o consumo de água em até 35%. Isso sem falar no processo de redução de resíduos e reciclagem, que eles vêm realizando desde fevereiro de 2014.

Gula Gula

Tá vendo? O que não faltam são opções que incluem, além de muitas delícias, aquela dose boa e necessária de sustentabilidade!

O seu endereço de e-mail não será publicado.