“O melhor sentimento que um ser humano pode ter é a gratidão. É daí que vem a verdadeira felicidade”.

Tem coisas, tão básicas, que fazem toda a diferença na forma como a gente encara a vida e enxerga as oportunidades. Nathy Costa é do tipo que, no meio de todas as dificuldades, acha e foca no que de bom aconteceu, fica grata por esses acontecimentos, e segue atraindo gente do bem. Sabe aquela história que energia boa atrai energia boa? Então. É esse o caminho que ela vem trilhando.

Nathy é carioca. Tem 25 anos e mora no Vidigal. Amante dos esportes, com 2 anos já treinava natação e jiu jitsu. Aos 5, foi campeã brasileira na luta e já começava a acumular títulos de natação. Com 7 resolveu experimentar o vôlei e, quando viu, estava federada tanto nele como na natação. Quando viu que teria que escolher um dos esportes, mergulhou de cabeça no vôlei. Passou por clubes como Flamengo, Botafogo e AABB. Foi nesse meio tempo que ela conheceu o Beach Tennis. Thiago Clemente, que era seu professor de jiu jitsu, levou Nathy até o Leblon pra conhecer o esporte que não pára de invadir as areias cariocas. “Quando eu peguei na raquete vi que queria fazer daquilo a minha vida”, ela conta, “Senti algo muito especial e me veio o sonho de ser uma das melhores do mundo”.

Nathy Costa e o beach tennis

Daí, ela começou a ir direto pra praia pra jogar quando conseguisse e escutar as aulas dos outros enquanto ajudava a recolher as bolinhas. “O que importava era me manter lá perto”, ela lembra. Pouco tempo depois, participou de um torneio amador com Estella Penna e, pra sua surpresa, chegou até a semifinal! Poucos meses depois, estava conquistando seus primeiros títulos como amadora, tanto na categoria feminina quanto na mista. A coisa foi indo, indo, Nathy foi ficando mais craque, continuou treinando com muito amor e conquistando títulos e amizades que iam motivando a carioca a seguir firme.

nathy costa

Mas nunca foi fácil. Ela treinava seis vezes por semana (em alguns dias até três vezes por dia) e nunca teve patrocínio. “Eu tive que abrir mão de muita coisa”, ela conta, “E não só eu, como minha família”. É que Nathy sempre contou com o apoio de sua mãe (“Que me ensinou a sempre ter um sorriso no rosto”) e com o de seu pai (“Que veio morar comigo para manter a casa para que eu pudesse treinar e vale dizer que ele é motorista de caminhão de lixo que trabalha de segunda a segunda para que eu possa seguir o meu sonho”). Com apoio e amor, ela foi ganhando e conquistando todos a sua volta. Mas ela tem muito claro no seu dia-a-dia a dificuldade que encontra pra seguir esse caimnho. “Em vez de manter o foco nos treinamentos e competições, tenho que dividir meus pensamento com a angústia de não saber se poderei competir por falta de patrocínio”, ela reflete. Quando ela conquistou o título de campeã em Aruba no maior campeonato de Beach Tennis do mundo, só conseguiu chegar lá com o apoio de dez amigos que se uniram para pagar a passagem.

Nathy Costa e o beach tennis

Nathy tem total consciência das dificuldades para se conseguir incentivo em esporte, não só no beachtennis, mas em vários outros esportes. Pra ela, vários atletas com um potencial gigante não são descobertos por conta disso. E uma coisa ela tem certa: “Esse sonho de conseguir patrocínio e continuar firme trazendo títulos não tem quem tire de mim, eu não desisto por nada!”. Ela vem contando com o apoio de Claudia Gomes e da sua ídola Flávia Muniz, com quem divide equipe. Antonio Lopes paga a faculdade de educação física de Nathy e ela faz questão de ressaltar que “A maior caridade que um ser humano pode fazer pelo outro é na base da educação, ele está me ajudando a ser alguém”.

Nathy Costa e o beach tennis

E é nessas, com o sorriso no rosto e a gratidão no peito, que Nathy vai conquistando todos a sua volta, na batalha por conseguir um patrocínio que a ajude a focar exclusivamente nos treinos e competições. O objetivo final é conseguir “Dar uma qualidade de vida melhor pra minha família”.  A fórmula ela já tem: gratidão, sorriso no rosto, foco e amor pelo beachtennis. “A repetição com correção leva a perfeição e é lá que eu vou chegar!”. A gente tá mais do que na torcida!

  • Ruthe Ten

    18 08 2015

    É isso aí Nathy..muito batalhadora e guerreira…focada no esporte! Merece tudo de bom!

  • Mariana Soares

    21 08 2015

    Vc nasceu pro Esporte!! Vai chegar lá!! Pés na areia e boa Sorte!!

O seu endereço de e-mail não será publicado.