O oceano é casa. Casulo mesmo. Um mergulho mais fundo e você está lá, reconectando com o que de mais essencial existe, enfrentando medos e percebendo que a forma como você enxerga e age em terra nada mais são do que reflexos de como você enxerga e age no mar.  O onda vem chegando, algumas pernadas, um encaixe perfeito na água, um deslize delicioso de sentir. Bodysurf, ou o surfe de peito, é a modalidade de surfe mais antiga de todas – e dá pra dizer que uma das que mais conecta com o todo. “É uma atividade em que você só precisa do seu corpo, de uma nadadeira e do mar”, conta Henrique Pistilli, que é bodysurfista de corpo, alma e coração e já viajou para os lugares mais incríveis e cheios de energia do mundo surfando de peito. Ele estrelou o programa Homem Peixe, do Canal Off, que em breve estreia sua segunda temporada, por mares da Austrália e do Tahiti, em uma viagem de reencontro consigo mesmo. “Simples assim, eu sou outra pessoa depois de tudo, mais parecida comigo mesmo”, ele reflete.

 

waterman

 

Desde quando  começou, se jogou nesse mergulho do autoconhecimento através do  esporte. Pistilli veio aprimorando suas técnicas e reflexões e criou o Watermen Experience, um curso intensivo que tem como base usar das técnicas de surfe de peito para conectar com o oceano e consigo mesmo. Todo ano, rolam ao menos duas edições do curso: em Fernando de Noronha, e na Indonésia. É um intesivão que, no final, ajuda a “Encontrar as relações desafiadoras no mar e na vida, como um espelho”, como resume Lucas Neil, que é instrutor de yoga e salva vidas e também está ao lado de Pistilli no Watermen.

 

Screen Shot 2014-12-12 at 1.30.32 PM

 

Para quem fica na vontade de participar dessas experiências incríveis, dá para sentir um gostinho nas sessions que eles andam organizando. “É meio que uma degustação do que rola no nosso Watermen Experience”. Esse ano já tiveram sessions no Rio, em São Paulo, Espírito Santo, Santa Catarina e Ceará e a última de 2014 vai rolar esse sábado, dia 13, em Grumari. É importante dizer que não precisa ser experiente para participar. Pelo contrário: as atividades são realizadas a partir do nível de cada participante e o foco é unir preparação física com autoconhecimento meditativo na natureza. Isso para que seja possível gerar “Uma interação mais profunda com o meio aquático e, principalmente, criar o ambiente propício para reflexões sobre as transformações necessárias que os participantes buscam em seu estilo de vida.

Interessou? Vem saber mais aqui.

 

 

 

 

O seu endereço de e-mail não será publicado.