Cultura é tipo faísca. Faísca daquelas que nasce singela e é capaz de gerar fogueiras lindas e cheias de energia. Ou, no caso, de causar verdadeiras transformações sociais, abrindo mentes e expandindo limites que a gente nem sabia ao certo quem tinha colocado. Pois bem. Lá na Praça Santos Dumont, na Gávea, um cantinho especial volta a iluminar nessa quinta-feira. É a Casa da Gávea que funcionou por 23 anos até que, em novembro do ano passado, encerrou suas atividades por falta de patrocínio e dificuldades financeiras. Pra nossa sorte, a brasa continuou queimando e com vários sopros vindos de diferentes direções, o fogo volta a iluminar.

Os sopros, no caso, começaram quando foi anunciado o fechamento do espaço, no final do ano passado, e artistas e frequentadores se mobilizaram e organizaram um abaixo-assinado que pedia o tombamento da Casa. Deu certo. Tem poucos meses que isso aconteceu. Só que o fogo mesmo pegou quando Antônio Rodrigues, que é dono da rede de bares Belmonte entrou na jogada. E foi sopro forte. Uma parceria, então, foi firmada: o empresário banca todas as despesas do espaço, incluindo aluguel, salários e a reforma que estava em andamento e o clássico bar carioca se estabelece por lá com toda a sua expertise e faz com que a renda ali gerada proporcione independência à instituição.

Casa da Gávea

E, bem, fogueira bonita é fogueira esquentando e iluminando. Então, hoje vai rolar a reinauguração desse espaço que transborda tanta cultura. Vai ser um show-festa com entrada gratuita que vai contar com atrações incríveis, como a cantora Thaís Gulim, o cavaquinista Henrique Cazes, o baterista Robertinho Silva, o coletivo da performance “Cabaré Foguete” e muito mais. Isso tudo com direito às delícias do Belmonte.

Casa da Gávea. Foto: Fernando Lemos/ O Globo

Beatriz Falbo, Vera e Julia Fajardo, que cuidam da programação da casa. Foto: Fernando Lemos/ O Globo

E a programação já está intensa: o carro chefe do espaço, as apresentações de teatro, vão rolar de sexta a domingo. Terças, quartas e quintas prometem trazer novidades e eventos variados que vão ter a curadoria da jornalista Beatriz Falbo. Nas segundas-feiras voltam a rolar os tradicionais ciclos de leitura. E pode se programar: dia 25 já está confirmada a apresentação do grupo Os Camaleões, trio de poesia formado por Pedro Bial, Luiz Petry e Claufe Rodrigues; no dia 26 Moraes Moreira comanda um arrasta-pé e Robertinho Silva se apresenta dia 27. Porque é aquilo: cultura é tipo faísca…

O seu endereço de e-mail não será publicado.